25
Qua., maio
3 Artigos Novos

Concursos

A Agência Espacial Portuguesa, em conjunto com o Instituto Pedro Nunes, pretende reforçar o centro de Incubação da Agência Espacial Europeia em Portugal, com novas incubadoras tecnológicas. O objetivo é chegar às dez incubadoras que desenvolvam projetos que podem abranger serviços para várias áreas, incluindo para a floresta.

A implementação da estratégia “Portugal Espaço 2030” poderá criar 1000 novos postos de trabalho. O convite, dirigido a incubadoras tecnológicas portuguesas, visa permitir que Portugal multiplique por 10 o volume de negócios do sector do espaço, até 2030, passando a ter um significativo contributo para o crescimento socioeconómico do país.

O concurso dirige-se a incubadoras que, além de estarem registadas em Portugal, tenham instalações que permitam receber as startups que beneficiem do programa da ESA.

 As incubadoras devem também dispor de uma equipa que dê o suporte necessário ao desenvolvimento de projetos que posteriormente venham a ser escolhidos para integrar a rede de incubadoras da Agência Espacial Europeia.

A apreciação das candidaturas dependerá de critérios como a experiência, composição da equipa, os acionistas, a ligação a atividades espaciais, entre outros.

Além disso, serão consideradas eventuais colaborações com o Sistema Nacional de Inovação, bem como o número de startups apoiadas desde a criação da incubadora, o volume de negócios e os postos de trabalho criados no último ano pelas empresas apoiadas, capital angariado pelos residentes desde o início da atividade e em 2019, entre outros.

As candidaturas, que devem ser enviadas até às 23h59 do dia 9 de maio, serão avaliadas pela Portugal Space. Se aceites, as incubadoras assinarão com o IPN um contrato de um ano, renovável por outros três, para trabalhar num consórcio liderado pela organização de Coimbra.

O Espaço é cada vez mais encarado como uma commodity, abrindo-se à economia e à sociedade para fornecer soluções a outros sectores e contribuindo para que estes reforcem a sua competitividade, o que permite que os desafios sociais e globais sejam encarados de forma multidisciplinar.

Os Centros de Incubação da ESA (ESA BIC, na sigla inglesa) foram criados em 2003 com a intenção de inspirar e trabalhar com empreendedores que quisessem transformar ideias ligadas ao espaço em produtos ou serviços comerciais. Atualmente, a rede conta com 21 centros, espalhados por mais de 60 cidades – incluindo Coimbra, Cascais (DNA Cascais) e Porto (Parque Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto) – em 17 países europeus. 

Em quase 20 anos, os centros da ESA BIC promoveram mais de 700 startups em toda a Europa, criando milhares de empregos altamente qualificados, graças às aplicações e à transferência de tecnologias espaciais para o mercado.

A Agência Espacial Portuguesa é uma organização privada, sem fins lucrativos, criada pelo Governo português, e tem como principal objetivo promover e fortalecer o ecossistema e a cadeia de valor do sector espacial em Portugal para benefício da sociedade e da economia nacional e internacional, agindo como uma unidade de negócio e desenvolvimento para universidades, institutos de investigação e empresas.