17
Dom., Out.
5 Artigos Novos

© SRADR

Gestão Florestal

O Governo dos Açores anunciou que vai apostar na produção de plantas endémicas e autóctones através do projeto “LIFE IP CLIMAZ – Programa Regional para as Alterações Climáticas nos Açores”, coordenado pela Secretaria Regional do Ambiente e Alterações Climáticas.

“Vamos dar um impulso na produção de plantas endémicas, promovendo a sua plantação e nos próximos fundos comunitários vamos majorar os projetos de investimentos que utilizem estas plantas”, assegurando o fornecimento de plantas para os investimentos públicos, quer sejam das Câmaras Municipais, quer sejam de outros organismos públicos, defendeu o Secretário Regional, António Ventura, durante uma visita ao Viveiro Florestal de Espécies Autóctones.

O Diretor Regional dos Recursos Florestais, Filipe Tavares, referiu ainda que a Região pode ser a “âncora de inúmeros projetos de dimensão significativa”, que estão a surgir no âmbito da conservação da natureza, e que requerem o substancial aumento da capacidade de produção instalada.

A Direção Regional dos Recursos Florestais fica responsável por certificar o mapeamento das áreas florestais de todas as ilhas e determinar nessas uma estimativa da biomassa e da capacidade de sequestro do carbono, de forma a perceber-se o impacto das alterações climáticas nesses “ecossistemas vulneráveis”.

Quanto ao aumento da capacidade de produção de plantas, serão realizados investimentos estruturantes nos viveiros florestais de Nordeste, Ponta Delgada, Terceira e Pico.

O projeto tem um orçamento no valor total de 19.922.235,00 milhões de euros, com uma contribuição própria dos beneficiários de 7.968.894,00 milhões de euros e uma contribuição de 11. 953. 341. 00 milhões de euros por parte da União Europeia.

A iniciativa tem como beneficiários associados a Direção Regional do Ordenamento o Território e Recursos Hídricos; Direção Regional do Ambiente e Alterações Climáticas; Direção Regional da Energia; Direção Regional dos Assuntos do Mar; Município da Horta; Município de Vila Franca do Campo; empresa Eletricidade dos Açores, SA (EDA); Cooperativa União Agrícola, CRL (CUA) e Sociedade de Gestão Ambiental e Conservação da Natureza – AZORINA, SA.