25
Qua., maio
3 Artigos Novos

Produtos

A The Navigator Company acaba de lançar um novo rebranding no papel de escritório Discovery, apostando em características como um desempenho mais eficiente, mais sustentável e mais amigo do ambiente.

Com uma comunicação focada na sustentabilidade, a marca apresenta um papel mais leve, dada a baixa gramagem, e apresenta boa espessura e rigidez, graças às propriedades das fibras que utiliza na sua composição. Especialmente destinado para a impressão de alto volume, o papel Discovery apresenta uma excelente performance com poupanças garantidas e ecoeficiência.

 A nova gama Discovery é produzida a partir de fibras de Eucalyptus globulus que, enquanto matéria-prima, tem grandes vantagens sobre outras espécies - maior rendimento na produção de celulose, menor utilização de produtos químicos nos processos de cozimento e branqueamento e a obtenção de uma pasta de melhor qualidade para diversas utilizações.

A The Navigator Company assumiu formalmente o compromisso de atingir a neutralidade carbónica em 2035, antecipando em 15 anos as metas estabelecidas pela União Europeia e por Portugal.

A marca Discovery pretende contribuir para o cumprimento dessa meta: uma resma de papel da gama compensa, por exemplo, o CO2 emitido por um carro a gasóleo que percorra até 34 Km.

A produção de pasta e papel por parte da The Navigator Company é feita através da utilização de florestas que são plantadas exclusivamente para esse efeito.

Com uma atividade florestal verticalmente integrada, o Grupo dispõe de um Instituto de Investigação Florestal próprio, referência mundial no melhoramento genético do Eucalyptus globulus. Gere em Portugal Continental uma vasta área florestal, 100% certificada pelos sistemas internacionais FSC® (FSC®-C010852) e PEFC™ (PEFC/13-23-001).

Dispõe de uma capacidade instalada de 1,6 milhões de toneladas de papel, de 1,6 milhões de toneladas de pasta (80% integradas em papel), 120 mil toneladas de tissue produto acabado, produzindo cerca de 2,5 Twh de eletricidade anualmente, sendo responsável por cerca de 4% da produção de energia de Portugal e de 52% da energia produzida a partir de biomassa.